viernes, 24 de febrero de 2012

A Intransigência da fé cristã e a perseguição dos fiéis.




         Em uma época onde termos como “tolerância” e “intransigência”estão em moda, é importante deixar claro o aspecto intolerante do verdadeiro evangelho de Cristo.

        Mais que nunca os mais variados movimentos sociais, ideológicos e religiosos estão trabalhando a serviço do deus deste século, contra a santidade da palavra e a verdade do evangelho.

Em nome da tolerância, o movimento gay nos quer obrigar a aceitar que nossos filhos sejam educados por homossexuais nas escolas, ou tenhamos que aceitar os tais como membros de igreja (como muitos já estão aceitando). Em nome da tolerância as instituições de educação nos estão empurrando a ideia do ecumenismo e nos querem fazer sentar todos juntos:adoradores de Baal, de Buda, de Maomé, adeptos do candomblé, feiticeiros, veneradores da “virgem” Maria e evangélicos; com o pretexto de que só há um Deus e que deve ser adorados por todos.

Nos dois casos mencionados, a intransigência do evangelho é mais clara que a luz do sol:

1. Nenhum homossexual tem lugar no reino de Deus, ficarão de fora juntos aos mentirosos, feiticeiros e aos cães (1.Tm. 1.1 0; Ap. 22.15). Não importa que seja uma boa pessoa ou má, se paga ou não os seus impostos se é ou não um bom cidadão. Não entrará no céu!

2. Já no que diz respeito ao ecumenismo, essa é a mais famosa tática ou estratégia de satanás para implantar seu reino liderado pelo anticristo. O lema será “Todos, uma só família”. Porém a intransigência da palavra de Deus fica mais uma vez comprovada, pois não há comunhão entre luz e trevas, nem harmonia entre Cristo e o maligno, nem união entre crente e o incrédulo. Os que participam em cultos ecumênicos estão tendo comunhão com os adoradores de deuses falsos e unidos aos pregadores da mentira. É necessário deixar claro que não há outro caminho senão Jesus, que nenhuma religião por bonita que seja salvará a ninguém, mas apenas uma vida de santidade e fé na pessoa e obra do filho de Deus permitirá que sejamos salvos.

     À intransigência da fé Cristã chamarão fanatismo religioso; aos que são intransigentes chamarão radicais e extremistas. Em pouco tempo os fiéis serão, tal como sucedeu nos primeiros anos do cristianismo: presos, torturados, perseguidos, tudo pelas suas convicções. Mas bem-aventurados seremos quando mentindo disserem todo mal contra nós, haverá um galardão nos céus para os que temem ao Senhor.

martes, 7 de febrero de 2012

Lições contra o Stress pastoral: Tenha um barquinho junto de vc.




Na minha adolescência o Senhor me chamou, e, aos vinte anos eu pastoreava a primeira igreja da minha carreira ministerial. Obras abertas, templos construídos, obreiros preparados, nações estrangeiras. Depois de quase doze anos que comecei não posso explicar como cheguei até aqui, a graça de Deus me ajudou. Tal como o Senhor me prometeu Ele tem me ensinado e o glorifico por isso.
Uma lição aprendida, que muito me tem ajudado, e  me ensinado a desenvolver bons laços familiares, ter uma boa saúde mental, física e espiritual é a necessidade de um barquinho junto de mim; explicarei melhor, mas não sem antes dizer que esse será o meu conselho sincero para os que estão alistados nas milícias do evangelho: “não deixem de ter um barquinho junto de vcs, isso os salvará de morrer servindo”.
Marcos 3.9 - Jesus havia decidido sair com seus discípulos, não encontramos detalhes sobre a missão; descansar, orar, pregar, mudar de cidade, não se sabe; apesar de que as duas primeiras opções são as mais aceitas. Porém Jesus foi seguido por uma multidão faminta de seus milagres e carregada de suficiente fé para receber milagres e libertação. De Israel, do Líbano, da Síria, uma multidão o seguia; a lepra, o câncer, e outras enfermidades sem número compungiam os milhares a literalmente “jogar-se” sobre Jesus para que, ao tocá-lo, pudessem ser livres. Ali as forças infernais não podiam resistir à autoridade de Jesus sem humilhar-se e reconhecer seu poder: “Também os espíritos imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e exclamavam: Tu és o Filho de Deus!” A poeira subia, a movimentação era extrema, as curas causavam euforia nos sanados, e mais ansiedade nos que tentavam quase que em desespero aproximar-se do manancial das águas vivas. O que seria um merecido descanso se tornou, paradoxalmente, numa das ameaças mais comuns do ministério cristão.
Jesus percebendo que no afã de serem curados e libertos, todos aqueles que o buscavam necessitando vida e paz, poderiam a qualquer momento “comprimi-lo” ou literalmente “espremê-lo”. A Ordem de Jesus foi: “Então, recomendou a seus discípulos que sempre lhe tivessem pronto um barquinho, por causa da multidão, a fim de não o comprimirem”.
O perigo de ser comprimido não há mudado, o risco é, talvez, mais alto que nunca visto. que Vivemos numa época em que o tempo se há tornado vítima da tecnologia, do desejo pelas riquezas e dos sonhos de consumo. As igrejas crescem como nunca, os avivamentos se multiplicam, até que ponto são genuínos seria tema para outro comentário. O que é certo é que muitos servos de Deus estão se deixando comprimir pela multidão, e o pior, estão deixando suas famílias serem comprimidas. Trabalham todos os dias, pregam, não poucas vezes mais de uma vez no mesmo dia, fins de semana são os mais agitados e nos feriados, mais oração e trabalhos, trabalhos e trabalhos. Alguém pensa que sou contra tudo isso? Está redondamente equivocado. Fomos chamados para isso mesmo, para trabalhar, deixar-nos gastar pela obra do Senhor enquanto há tempo, pois sabemos a vinda do Senhor se aproxima velozmente. Mas espere, por favor, tudo tem um limite, e Paulo soube expressá-lo: “para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado”. Sendo assim um servo de Deus não pode cuidar da igreja e esquecer-se de si mesmo e de sua família. Portanto, necessita saber dar uma pausa quando urje a necessidade, precisa saber “fugir” da multidão, parar um pouco e cuidar de si mesmo e dos seus. Necessita ter sempre perto de si um barquinho.

Lima, 07 de Febrero del 2012.

Missionário Assuero Chagas

lunes, 6 de febrero de 2012

Que faço quando falam mal de mim?


A Bíblia dá muitos conselhos para os que são vítimas de falatórios, críticas, denúncias ou mexericos. Para entendermos seria bom deixar bem definidos os termos, mas faremos isso em outra ocasião. Por hora ficaremos limitados a descobrir que fazer com quem está falando mal de vc.
Todos nós já fomos vítimas de falatórios, e eu gostaria de compartilhar três experiências que me ajudaram a crescer; falaram mal de mim e me ajudaram a ser quem sou hoje. 
O primeiro caso foi de uma pessoa que sempre aproveitava a minha ausência pra falar mal de mim. Isso acontece com todo mundo, é importante saber como comportar-nos nessa situação. Quando eu estava por perto era um fiel companheiro, isso me fazia sofrer muito, mas me ajudou a aprender. Então aprenda também. Não se preocupe se a pessoa que está falando mal de vc não tem autoridade moral. Quando eu fui descobrindo que o meu "amigo" usava de artifícios como a mentira, o adultério, entre outras ações, então o Espírito Santo me fez entender que um dia o oculto seria revelado e que verdade reluziria como a luz do sol ao meio dia. Primeira lição: Se a pessoa que fala mal de vc não tem autoridade moral, não se preocupe

O segundo caso, foi de outro que se dispôs a falar mal de mim também. Quanto mais me fui aproximando, mas fui vendo a razão pela qual ele tanto difamava. Vi que era extremamente corrupto, capaz de subornar a justiça, falsificar documentos e assinaturas, já enganou a muita gente, a sua inveja o movia, a sua cobiça o alimentava a sua avareza o sustentava. Porém quando falava, parecia um discípulo de Jesus, um anjo de luz então aprendi o seguinte: Nunca tome em conta uma pessoa pelo que aparenta ser no púlpito ou por trás de um microfone ou dentro de um paletó, veja a vida, os frutos, o testemunho, o exemplo de uma vida íntegra. 
O terceiro exemplo é o do grupo de amigos que Deus me deu. Homens como eu, com falhas, que necessitamos urgentemente aprender, até inclusive, sofrer para que aprendamos. Sempre criticam, falam de frente, reclamam, mas são pessoas cuja vida moral é, até agora, sem mancha. Exemplares, dos quais não se pode levantar nenhuma acusação sensata. 
Aprendi que devemos ter muito cuidado com quem fala mal de nós, se é uma pessoa que não quer o nosso bem, se não tem vida para falar, simplesmente não tomemos em conta a ofensa, apenas ignoremos. Não nos preocupemos com os invejosos, com os incompetentes, com os que não têm temor a Deus, eles não podem.
Aí se aplica o que está escrito: “Toda arma forjada contra ti não prosperará; toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás; esta é a herança dos servos do Senhor e o seu direito que de mim procede, diz o Senhor.” Vc deve confiar, melhor se alegre, haverá galardão...
Mas si quem está falando mal de vc, o faz diretamente a vc, tem exemplo moral para falar, uma vida sem mancha e o faz com amor, tema. Não seja insensato ou cabeça-dura, mas sábio, ouça e tenha a humildade pra reconhecer que vc está errado.
Ouve o conselho e recebe a instrução, para que sejas sábio nos teus dias por vir. Provérbios 19.20
O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura. Proverbios 29.1
É, portanto muito relativo o fato de que haja alguém falando mal de vc. Antes de pôr atenção no que estão falando, analise QUEM está falando para então resolver se vale a pena se preocupar. De outra forma deixe pra lá...